terça-feira, 23 mai 2017
Administração

Servir a Mamon

Dentro de algumas experiências em minha vida outro dia tive a oportunidade de refletir sobre uma das citações mais conhecidas de Jesus de Nazaré. Pude ver claramente o quanto nós temos a oportunidade de nos guiar na vida por duas escolhas bem claras: ou seguimos nosso coração e procuramos ser felizes, às vezes pagando o preço de algumas renúncias, decepções e desventuras; ou seguimos o caminho que nos atrai pelo sucesso profissional ou financeiro, que atende mais à nossa vaidade e concupiscência do que a qualquer propósito mais nobre. Na maioria absoluta das vezes esses dois propósitos não tem como se harmonizar, nem concordar em nenhum de seus termos.

Jesus no capítulo 6, versículo 24, no Evangelho segundo Mateus, nos diz: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamon”. Mamon era tido, na sua época, como o Deus da riqueza e do sucesso medido por moedas, portanto, simbolizava aquilo que se poderia adquirir e os bens terrenos a serviço de nosso prazer.

O grande mestre ao dizer isso deixou clara a lição de que podemos nos confundir com o que desejamos na vida e, ao buscarmos sobreviver bem e confortavelmente, enveredar pelo caminho ilusório da ganância e da vaidade, deixando de lado valores espirituais de longo prazo que nos trariam paz e tranquilidade à alma passando a privilegiar os valores da carne. Quando Jesus nos alertou que não era possível servir a dois senhores ele queria falar disso: da dificuldade que qualquer um teria em dedicar e cultivar em seu coração valores tão diferentes: amor e doação, caridade e misericórdia, no caso de se querer devotar a vida à um mister mais elevado e divino ou ganância e ao egoísmo, que tem como filhos diletos a usura e o apego excessivo aos bens terrenos, quando optamos apenas pelo usofruto das benesses terrenas

mamonTer e possuir, para fins de se exibir, envaidecer e aproveitar de bens terrenos, pode ser como um canto de sereia que nos encanta e cega, fazendo-nos acreditar em quimeras e enveredar pelos caminhos do vício e do desespero. Adentrar pela trilha larga das tentações mundanas é fácil e pode parecer o caminho mais curto para a felicidade, até que a  realidade bata-nos de frente, e nos mostrar que “servir à Mamon’ vai ser a pior escolha, sempre.

Atitudes ligadas a qualidades e sentimentos sublimes e elevados podem, e devem, ser tomadas racionalmente pela força de nossa vontade e frutos da perspicácia de nosso olhar que ao ver que em nada nos melhora a saúde mental e espiritual o acúmulo de bens e a posse de dinheiro; se isso representasse saúde e felicidade todos os ricos seriam assim, mas, elo contrário, “adorar a Mamon” buscando apenas a riqueza material acima de qualquer coisa, só vai nos cumular de preocupações pela sua conservação, tirando nossa paz e a oportunidade de nos dedicarmos à coisas mais simples e belas cujo lucro final vai ser bem mais valioso do que qualquer valor monetário, como  por exemplo um beijo cheio de amor um filho, o colo acolhedor do(a) companheiro(a) numa hora difícil, ou mesmo o abraço de um desconhecido que se achou ajudado em algum momento.

A vaidade, o poder, os bens materiais são todos riquezas enfadonhas e ilusórias que em pouco tempo nos cansam os sentidos fazendo-nos buscar atender desejos nunca saciados, com o agravante de nos impedir de ver que existem caminhos muito melhores e mais saudáveis para nos realizarmos e termos a sensação de plenitude e paz que caracterizam as pessoas prenhes da felicidade verdadeira. Para que  possamos nos identificar com esse  caminho, que leva à paz interior e a felicidade terrena, temos que inicialmente ter noção exata do valor das coisas, principalmente para nós mesmos; nada vai adiantar passar a vida perseguindo o que as outras pessoas dão valor, seja por ambição ou pura vaidade, temos que buscar o valor das coisas para nós mesmos, o que é que nos faz bem e satisfaz.  A busca desenfreada pelo sucesso, lucro e reconhecimento  tem um preço alto que pode ir desde o afastamento da família à perda  de amigos, amores e afetos verdadeiros; se você já conviveu com alguém muito egoísta sabe do que estou falando.

Muitas vezes o cansaço bate à porta daqueles que passaram a vida a perseguir apenas os valores do mundo se esquecendo de seu espírito, somente assim, pelo cansaço, é que muitos homens notam que perderam a vida atrás de ilusões, numa corrida que não tinha fim, e cujo prêmio final não era o que eles esperavam, então tristes e abatidos esperam o fim dos dias em solidão, quando ainda há tempo pode ser que tentem mudar e passar da condição de senhores a de servos, dando valor ao que realmente importa, mas nem sempre isso é mais possível.

Por esse motivo é importante desde já procurarmos o caminho correto, que normalmente é o mais difícil, que é o do amar e servir, do que o lucrar e escravizar. Lembremos que o verdadeiro alimento do espírito não pode ser comprado com dinheiro. A paz, o amor, a companhia e os afetos são as coisas que realmente necessitamos para sermos felizes e, como tão bem Jesus exemplificou, podemos perder a vida correndo atrás de miragens antes que descubramos tarde demais que isso só nos trouxe a inquietude e a infelicidade.


1 Comentário

 

ARQUIVO MORTO

AOS MEUS PACIENTES

Nos últimos 10 anos tive pacientes dos mais diferentes tipos no meu consultório: tive os agradáveis, os difíceis, os que queriam resolver logo sua vida, os que queriam apenas aliviar suas dores, aqueles que não sabiam o que queriam, os curiosos; alguns jovens, corajosos; anciãos às portas da morte, pacientes espiritualizados, céticos, cínicos, com fé demais, com fé de menos, "loucos varridos", pacientes divertidos, prepotentes, alguns amargos; todos de alguma forma doentes... de tudo: do corpo... da alma... do coração; mas todos com algo em comum, a necessidade de dividir suas dúvidas e angústias com alguém, de encontrar uma saída para suas dores e formas de acertar o que estava errado em suas vidas.

(clique aqui para ler na íntegra.)

VÍDEOS

YouTube responded to TubePress with an HTTP 410 - No longer available

CONSULTAS EM MANAUS