sexta-feira, 26 abr 2019
Administração

Saber sentir

Começou uma nova série na televisão muito interessante, nela homens interagem com robôs feitos de forma a reproduzir a forma humana e que ajudam as pessoas em várias de suas tarefas mais chatas e rotineiras. Mas o que começou como uma série de ficção científica de repente pode provocar várias reflexões e debates sobre a nossa própria condição humana, daí talvez seu nome:  Humans. A grande questão filosófica, que dá o tom da série, é que a partir de um determinado momento algumas dessas máquinas começam a desenvolver aquilo que chamamos de consciência,  que na realidade ninguém sabe explicar o que é nem o que vem a ser, mas que transforma aquelas máquinas em seres que não aceitam mais o mando nem a escravidão, e isto é visto como um defeito incontornável pelos seus construtores.humans-amc

A personagem principal, uma sintética (como são chamados na série) é Mia, uma moça de traços chineses e que interage com uma família americana comum de classe média, onde a mãe a encara como uma possível concorrente, até por perceber que ela não é uma máquina comum. Observando as atitudes de Mia em determinado momento, a mãe percebe um forte apego dela aos dois filhos menores da família, e a questiona se talvez gostaria de saber amar, coisa que Mia parece completamente alheia, e essa pergunta fica no ar como uma impossibilidade, com jeito de que vai ser ser respondida mais à frente. Além disso essas máquinas, os sintéticos, que parecem ter consciência, demonstram também sentir algumas  emocões humanas como a angústia, a compaixão, o medo e o ódio, além da capacidade de apreciar certas sutilezas da vida, enfim, todas essas coisas que nos fazem tão humanos, belos e complexos, mas ao mesmo tempo em nos diferenciam podem nos fazer sofrer.

Ironicamente a série faz uma paródia com a história bíblica do Gênesis, onde Deus, ao criar o homem, o fez à sua imagem e semelhança, mas com alguns “probleminhas”, que deram origem a todo tipo de debate filosófico, que são colocados, intencionalmente ou não, pelas personagens da série, como por exemplo a de que “ter consciência é sentir dor” e de que sem esta, talvez a própria consciência fosse impossível. Isto me fez tentar aprofundar um pouco minhas reflexões neste post sobre o sentir, e suas consequências, boas e ruins para o ser humano.

Nossa consciência, ao ser exposta ao que chamamos de emoções, desenvolveu uma característica evolucional única, que são nossos sentimentos, profundas alterações em nossa própria forma de perceber o mundo, não apenas pelas sensações como na maioria das espécies, mas por uma série de interrelações entre consciência, instintos e aquelas próprias, assim se tornaram complexas e de um nível não atingido ainda por seres menos evoluídos em nosso planeta. Embora tenhamos níveis diferentes de amadurecimento destas características entre nossa própria espécie é perfeitamente observável um padrão de funcionamento semelhante entre nós, dentro de certos limites. Muitos, por exemplo tem uma forma de entender o mundo mais racional e com menos percepção às peculiaridades do mundo e das pessoas; outros são mais emocionais e empáticos, sentido-se mais integrados ao mundo e aos seres que o habitam. Mas entre sentir ódio, amor, empatia ou raiva, medo e outros sentimentos menos integrativos existem grandes variações, e pelo menos duas das personagens da série se mostram tão desconfortáveis neste papel que uma quer se matar e a outra quer matar os outros, principalmente para evitar novas dores. Nada muito diferente dos seres humanos que conhecemos, afinal existe uma classe de seres humanos incapazes de sentir a emoção como estamos acostumados a concebe-la: os psicopatas, que muitas vezes não conseguem nem sentir emoção nenhuma, no máximo o ódio e a raiva.

Sentir dor afinal é um dos grandes móveis da humanidade como um todo, e de nós como indivíduos, em nossa eterna busca de uma vida mais satisfatória e “feliz”, o que para muitos é exatamente uma vida sem dores, físicas, emocionais ou mentais. Nesta busca por anular a dor e viver com mais prazer nós com frequência nos equivocamos e somos capazes de atos que podem levar à dor e dano de outros seres vivos, e ameaçam até a integridade do planeta. Por desejar se proteger da dor muitos desenvolvem uma personalidade agressiva ou tímida em excesso, se fecham num mundo à parte por medo ou ainda tentam se distanciar de toda e qualquer expressão emocional e de relacionamento com seus pares, tornando seus relacionamentos superficiais e áridos, sem afeto. Por isso sentimentos como o amor, difícil de ser explicado, pode e deve ser desenvolvido. Pela minha experiência já descobri que o desenvolvimento das emoções é contínuo, e permanece durante toda a vida do indivíduo, desde que este o permita. Assim é possível que se desenvolva amor onde muitas vezes só existe a incompreensão e a falta de sensibilidade, bem como outras emoções positivas, mais complexas que as “negativas”, como o ciúme, a raiva e a vingança. Para isso o convívio social, a família e as relações amorosas como um todo são essenciais.

Os homens também muitas vezes agem de forma absolutamente egoísta, ferindo e matando outros seres, e os próprios seres humanos, por propósitos que não se revertem em bem ao mundo ou à sua própria espécie. Na série os sintéticos demonstram o que se chama de altruísmo, qualidade que também é incomum à raça humana, assim como a maioria das virtudes. Assim a série vai colocando em planos opostos humanos e androides, como se estes não tivessem o direito de serem chamados seres vivos e conscientes apenas por serem construídos de um material diferente de nós mesmos, ou por apresentarem “defeitos”, como poder matar e ferir outros seres. Mas se nos questionarmos sobre o que nos faz humanos notamos que são mais nossos defeitos que nossas qualidades, e se isto fosse impeditivo para nossa existência alguém teria o direito de nos exterminar, pois já fizemos, e continuamos fazendo, barbaridades ao nosso mundo e à nossos semelhantes, coisa que inclusive os sintéticos são incapazes de fazer. Repetindo das coisas mais bonitas ditas por uma dos sintéticos:  “A humanidade não é um estado, é uma qualidade, e um de nós tem mais humanidade do que muitos de vocês”.

Related Posts with Thumbnails

 

ARQUIVO MORTO

AOS MEUS PACIENTES

Nos últimos 10 anos tive pacientes dos mais diferentes tipos no meu consultório: tive os agradáveis, os difíceis, os que queriam resolver logo sua vida, os que queriam apenas aliviar suas dores, aqueles que não sabiam o que queriam, os curiosos; alguns jovens, corajosos; anciãos às portas da morte, pacientes espiritualizados, céticos, cínicos, com fé demais, com fé de menos, "loucos varridos", pacientes divertidos, prepotentes, alguns amargos; todos de alguma forma doentes... de tudo: do corpo... da alma... do coração; mas todos com algo em comum, a necessidade de dividir suas dúvidas e angústias com alguém, de encontrar uma saída para suas dores e formas de acertar o que estava errado em suas vidas.

(clique aqui para ler na íntegra.)

CONSULTAS EM MANAUS