quarta-feira, 24 abr 2019
Administração

A vida num olhar

P.M. é um senhor de 50 e poucos anos, inteligente e bem sucedido que chegou ao consultório em 2013, se encontrando numa fase da vida em que já está pensando em se aposentar. Casado a quase três décadas com uma mulher que diz ser ótima companheira e com quem tem uma sintonia excelente veio à terapia com um problema justamente nessa área; como precisou vir trabalhar em nossa cidade deixando a mulher noutra durante um período razoavelmente longo findou se envolvendo com uma amante que conheceu em Manaus, num relacionamento que já estava indo completar uma década. e isso estava lhe tirando a paz.

Dividido entre o amor pela esposa e o desejo pela amante perdeu a paz, sentia-se de alguma forma responsável pelo bem estar da amante e gostaria de terminar o relacionamento com ela porque o custo emocional disso estava-lhe ficando insuportável, mas ela não o permitia, procurando-o sempre e culpando-o por suas carências e necessidades. Ao terminarmos a primeira fase da terapia, antes de iniciarmos as regressões, ele já estava se sentindo melhor e mais decidido a dar um fim aquele relacionamento tão desgastante. E assim fomos avançando até fazer nossa primeira regressão, que findou me inspirando a escrever este post.

Numa vida que parece ter acontecido na Idade Média europeia P.M. se viu olhando, de um morro, uma pequena cidade medieval de pedras e telhados cinzentos, era um senhor idoso e pensava em como havia concretizado seus sonhos e feito aquela cidade evoluir e chegar ao progresso. Pedi que voltasse ao passado para descobrirmos como havia transcorrido aquela vivência e suas lições, imediatamente ele se viu muito jovem numa vila que viria a ser aquela cidade que viu no início da regressão, estava procurando ajudar as pessoas, pensando constantemente em como poderia levar aquela cidade ao progresso, sendo muito bem quisto e tendo o reconhecimento de todos aqueles que viviam ali, enquanto relembrava isso veio-lhe à mente uma cena bucólica e romântica:  Ele jovem, com uma moça de idade semelhante, abraçados naquele morro, em meio a emoções agradáveis de amor e companheirismo, partilhando de sonhos e planos para a vida que iriam desenvolver ali.

No decorrer da regressão notou que aquela moça se tornou sua esposa e partilhou toda a sua vida ali com ela, que permanecia discretamente ao seu lado na labuta diária enquanto procurava ajudar aquele povo. Na regressão ela quase não apareceu, parecendo mantendo sua discrição até ali, pareceu ser uma esposa dedicada e amorosa, que apoiou o marido em seus sonhos em busca de um bem maior, até o fim da vida; e esta aconteceu quando os dois já se encontravam bem idosos, por volta dos 70 anos de vida, aí veio a parte mais bonita da história.olhar-profundo

Logo depois de sua morte, que aconteceu de causas naturais, enquanto estava em espírito no morro, olhando a cidade abaixo se sentindo feliz e realizado, viu chegar a esposa, novamente jovem e com expressão feliz. Ela se aproximou dele o olhou com carinho, nesse momento, olhando em seus olhos ele viu toda a sua vida passar ali.. pelos olhos dela. Viu sua juventude e maturidade, as lutas, decepções e vitórias, viu a maturidade a chegar com suas realizações, relembrou novamente os momentos passados com ela e os filhos ao chegar em casa, e do quão felizes esses momentos eram; enfim entendeu e ficou feliz com o que havia aprendido e conquistado naquela vivência.

Ao terminarmos a regressão com sua volta à consciência normal, procuramos relembrar o momento atual e tudo o que ele estava passando a conclusão que chegamos foi que o nível de sintonia e amor que uniu o casal no passado foi uma tentativa de seu inconsciente de mostrar o quanto ele é feliz hoje com uma companheira tão fiel e amiga. Ao entender isso ele passou a ter mais certeza de suas decisões e a achar que realmente está no caminho certo na vida, sabendo que o amor que o une à esposa tem  um valor inestimável.

Related Posts with Thumbnails
Palavras-chave:, , , ,

 

ARQUIVO MORTO

AOS MEUS PACIENTES

Nos últimos 10 anos tive pacientes dos mais diferentes tipos no meu consultório: tive os agradáveis, os difíceis, os que queriam resolver logo sua vida, os que queriam apenas aliviar suas dores, aqueles que não sabiam o que queriam, os curiosos; alguns jovens, corajosos; anciãos às portas da morte, pacientes espiritualizados, céticos, cínicos, com fé demais, com fé de menos, "loucos varridos", pacientes divertidos, prepotentes, alguns amargos; todos de alguma forma doentes... de tudo: do corpo... da alma... do coração; mas todos com algo em comum, a necessidade de dividir suas dúvidas e angústias com alguém, de encontrar uma saída para suas dores e formas de acertar o que estava errado em suas vidas.

(clique aqui para ler na íntegra.)

CONSULTAS EM MANAUS