quinta-feira, 20 jun 2019
Administração

Conexão

Muitas vezes me perguntei como existem pessoas que não conseguem ver ou sentir a presença de Deus à sua volta,  fico me perguntando: onde está a suposta razão e inteligência de tais pessoas que não as deixa ver o que ocorre bem debaixo de seus narizes? Gosto de pensar em Deus de uma forma personalista, como algo ou alguém que tenha um conjunto de características que o tornem um ser com individualidade. Penso assim porque em meu humilde entendimento só algo com essas características, inteligência e individualidade, poderia ter e exercitar o que seria o real “big bang” da existência, a vontade, e esta não poderia advir de uma coisa amorfa, sem características que a tornassem um ser individual.

E por quê a vontade? porque sem ela a organização do Cosmos, desde o nível subatômico até o astronômico, não poderia ser possível, nada se organiza por acaso ou por acidente, é muita ingenuidade ou simples ignorância se pensar assim. Por isso minha eventual irritação.

Conversando hoje com uma paciente sobre emoções, razão e o uso que fazemos de nossa inteligência pude explorar esses conceitos. Essa paciente é economista de formação e apaixonada por matemática e cálculos e, quando falamos sobre como nosso inconsciente é sábio nos mostrando coisas na vida que muitas vezes não poderíamos descobrir sozinhos, ela me disse que muitas vezes faz cálculos e percebe erros matemáticos sem o uso da razão, creditou isso a seus conhecimentos inconscientes, pois nesse momento sua inteligência não é posta em uso e ela não realiza nenhum raciocínio lógico.

No final de nossa conversa ambos trocamos impressões de que o que vale na vida para nos fazer realmente ser felizes e encontrar o caminho para Deus não é a razão ou a inteligência, mas sim os sentimentos e a intuição.conexão Aparentemente nosso espírito se serve do instrumento que é nossa inteligência para sobreviver e evoluir, mas que se ele for se ater só a esse particular de sua existência, os limites do seu ser ficarão bem estreitos e sua evolução será comprometida.

Bem, mas vou usar desse instrumento maravilhoso, a inteligência, para tentar explicar as dificuldades que vejo no entendimento de Deus. Partindo da crença que existe um princípio inteligente e causal para gerar os efeitos que vemos ao nosso redor em todo o Universo, desde o micro ao macrocosmos, e que podemos chamar esse princípio de Deus, podemos tentar elucubrar sobre que tipo de emoção o habita.

Se fosse uma negativa, como o ódio ou o medo, o Universo não existiria, pois estas emoções levam à desorganização e ao caos por serem desagregadoras por excelência. Na base do medo está a imobilidade, pois o temor intenso nos paralisa, já na base do ódio está a vontade e o desejo de destruir e fazer o mal. Assim vai acontecer com todas as emoções e sentimentos negativos como a inveja, o ciúme e a vingança, só para citar alguns. Por esse motivo acredito que nenhuma dessas faz parte de tal ser, criador e gerador da harmonia universal.

Além de tudo basta olhar à nossa volta para percebermos que mesmo em toda sua complexidade o Universo guarda em cada canto uma beleza e elegância insuspeitas, que só poderiam ter sido colocadas ali por uma inteligência superior, que as fez com amor, podemos chama-la da “Assinatura de Deus”, se duvidar dessa teoria experimente construir algo com raiva e veja quão elegante fica. Já a beleza e elegância da obra de Deus está em toda parte. Só que, como em qualquer obra de arte, é preciso sensibilidade para se aprecia-la.

Só o amor constrói, eleva nossos propósitos e nos faz realizar atos nobres e engrandecedores, aqueles que nos motivam a enfrentar as dificuldades e construir coisas duradouras. Veja o exemplo de Jesus, que nunca construiu nada fisicamente grandioso, como as pirâmides por exemplo, mas deixou um legado de amor que construiu na humanidade um sentimento de união e fraternidade que só aumentou e se fortaleceu com o tempo, afetando bilhões. Já das pirâmides sobraram apenas as pedras desnudas e a história de uma civilização que desapareceu e que um dia o deserto tomará para si.

Assim se não cultivarmos o amor dentro de nós, ficaremos impossibilitados de fazermos dele o instrumento de nossos relacionamentos e ficaremos desconectados do Universo, em última instância, perderemos nosso elo de ligação com Deus, pois se ele é só amor só por ele poderemos nos conectar.

 

Related Posts with Thumbnails

 

ARQUIVO MORTO

AOS MEUS PACIENTES

Nos últimos 10 anos tive pacientes dos mais diferentes tipos no meu consultório: tive os agradáveis, os difíceis, os que queriam resolver logo sua vida, os que queriam apenas aliviar suas dores, aqueles que não sabiam o que queriam, os curiosos; alguns jovens, corajosos; anciãos às portas da morte, pacientes espiritualizados, céticos, cínicos, com fé demais, com fé de menos, "loucos varridos", pacientes divertidos, prepotentes, alguns amargos; todos de alguma forma doentes... de tudo: do corpo... da alma... do coração; mas todos com algo em comum, a necessidade de dividir suas dúvidas e angústias com alguém, de encontrar uma saída para suas dores e formas de acertar o que estava errado em suas vidas.

(clique aqui para ler na íntegra.)

CONSULTAS EM MANAUS