quinta-feira, 20 jun 2019
Administração

O poder do perdão

Tive, a duas semanas,  uma sessão com um paciente que está retornando à terapia, José, já o mencionei esse caso no post ”Resistências” quando expus os problemas que levam alguns indivíduos a não conseguirem seguir em frente na terapia e por vezes não conseguirem regredir às suas vidas passadas. Pelo que tenho observado nele seu maior problema é a dificuldade que tem em perdoar, principalmente sua filha, pelo que acha que foi algo indesculpável, que foi ela lhe haver desfalcado em negócios que ele lhe havia posto para cuidar. Segundo ele, após algum tempo ela começou a dar demonstrações de estar com posses acima de suas condições financeiras, se tornando exibicionista e perdulária; e, quando inquirida sobre de onde vinham os recursos para tais feitos, não os quis, ou não soube explicar, o que piorou ainda mais as suspeitas do pai que findou rompendo a sociedade com ela.

Após esse acontecimento uma mágoa muito grande tomou conta de seu coração, ele se sentiu traído como pai e como pessoa, sempre foi forte e correto, e , muito apegado às suas crenças e conceitos, achava aquelas atitudes completamente injustificáveis e imperdoáveis; afinal vencera na vida com muita dificuldade e conseguiu sucesso sempre com honestidade e honradez. Nas conversas que tivemos sempre me dizia que tratava a filha muito bem, que não queria seu mal, e, inclusive, havia cedido-lhe um armazém e o nome de sua empresa para que pudesse realizar seu comércio. Só que por trás daquelas palavras era possível perceber que a tolerância e o perdão seriam coisas que ele jamais aceitaria exercer para aquelas que julgava terem lhe atraiçoado. Eu sabia que no final essa atitude iria lhe cobrar um preço alto demais ao longo de sua vida. Aproveitando o acontecido vou tratar um pouco do tema perdão.

O exercício do perdão é um dos mais difíceis de se realizar e, por mais que falemos, dificilmente o realizamos de coração. Li essa semana um livro que aborda muito bem o problema do perdão chama-se “Assuntos pendentes” do escritor americano James Van Praagh, em determinado momento do livro ele coloca que o perdão é uma ação muito difícil de se fazer no plano terreno pois envolve a liberação do ego e a perda de controle, ambas coisas a que nós todos, e principalmente as pessoas controladoras e apegadas, vão hesitar e resistir muito antes de fazer, se é que vão conseguir um dia.

Ainda segundo o autor ao optarmos pelo perdão não estamos minimizando a responsabilidade do ofensor nem justificamos seu erro, mas nos libertamos de nossos próprios sentimentos negativos. Admitir erros e pedir desculpas ajudam muito o desenvolvimento das pessoas tanto a nível humano como a nível espiritual, é um bem que fazemos a nós mesmos e, posso dizer da minha experiência como terapeuta de vidas passadas, esses efeitos são extremamente benéficos tanto para espíritos vivendo ainda no plano terreno como para aqueles que já estão no plano espiritual, desmanchando amarras e laços de ódio que permanecem por vezes incontáveis décadas e até séculos, pois assim como o amor o ódio também cria liames muito duráveis.

Pessoas excessivamente controladoras e resistentes, como meu paciente, tem uma dificuldade enorme em admitir que suas opiniões e crenças possam estar erradas ou incorretas e acreditam que se perdoarem terão de alguma forma cedido ou terem sido derrotados. Segundo Van Praagh ao não perdoarmos nos sentimos de algum modo superiores ao ofensor e queremos ensinar-lhe uma lição, mas infelizmente o que vai acontecer é que como essas pessoas naturalmente são orgulhosas e melindradas, irão também ter a tendência a guardar mágoa e ressentimentos, são indivíduos que esperam que sua recusa em perdoar faça a pessoa se arrepender e não repetir o que fez. Essa é exatamente o tipo de atitude que vejo no meu paciente, que finda ficando refém de suas próprias emoções.images (2)

Para que o perdão seja verdadeiro e aceito pelas partes envolvidas nas dores e mágoas que levaram ao desajuste necessário se faz que a sinceridade seja sua mola propulsora e o arrependimento seja seu pilar central, quando demonstramos que estamos dispostos a mudar a partir de determinado arrependimento se torna mais fácil para quem ferimos aceitar nossas desculpas.

Eventualmente pode até ser que nosso pedido de perdão não seja aceito, mas isso deixa de ser um problema nosso e passa a ser apenas daquele que não nos perdoou e não conseguiu superar suas mágoas. Apesar desse tipo de atitude ser frustrante temos que estar preparados para encontra-la, e como diz Van Praagh, temos que ter consciência de que não podemos controlar a maneira como a outra pessoas reagirão ao nosso pedido de perdão, mas isso não é tão importante como ter sido sincero em palavras e sentimentos.

Related Posts with Thumbnails
Palavras-chave:, ,

2 Comentários

  1. Acredito que nao conseguimos nos arrepender e perdoas pessoas ou situacoes onde estamos presos aos nossos principios e valores, para alcancar o dom de perdoar precisamos aprender a dinamizar nossas conviccoes, mas realmente nao faco a menor ideia de como praticar este pensamento.

    1. Você pode começar pelo que diz no seu próprio comentário, mudando princípios e valores que estão lhe prendendo a situações de dor e mágoa permanentes. Pense e aja de forma diferente do que tem feito até hoje e verá que sua vida mudará bastante.

 

ARQUIVO MORTO

AOS MEUS PACIENTES

Nos últimos 10 anos tive pacientes dos mais diferentes tipos no meu consultório: tive os agradáveis, os difíceis, os que queriam resolver logo sua vida, os que queriam apenas aliviar suas dores, aqueles que não sabiam o que queriam, os curiosos; alguns jovens, corajosos; anciãos às portas da morte, pacientes espiritualizados, céticos, cínicos, com fé demais, com fé de menos, "loucos varridos", pacientes divertidos, prepotentes, alguns amargos; todos de alguma forma doentes... de tudo: do corpo... da alma... do coração; mas todos com algo em comum, a necessidade de dividir suas dúvidas e angústias com alguém, de encontrar uma saída para suas dores e formas de acertar o que estava errado em suas vidas.

(clique aqui para ler na íntegra.)

CONSULTAS EM MANAUS